A zona erógena mais sensível de quem anda no marketing

É uma parte do corpo que provoca grande excitação aos profissionais de marketing – embora nem tanto aos seus públicos-alvo. Mesmo sabendo disso, o que é que leva hoje o Jayme Kopke a quase ceder ao apelo do próprio umbigo?

Por Jayme Kopke

 

Todo profissional de marketing tem uma parte do corpo com a qual convém ter algum cuidado.

Está a ver qual é? Essa mesma: o umbigo.

Aquele sítio onde, às vezes, sentimos uma irresistível volúpia de falar de nós próprios.

O nosso produto. A nossa empresa. Que maravilhosos eles são!

Pena que os nossos públicos-alvo raramente partilhem o mesmo entusiasmo.

Por alguma razão, preferem concentrar-se nos seus próprios interesses – não em nós.

Porque é que lhe digo isto?

Porque hoje estou a fazer um certo esforço para contrariar o meu umbigo.

É que a Hamlet tem um site novo. Tudo o que eu queria era contar-lhe como está mais bonito, mais moderno, mais fácil de navegar, mais isto, mais aquilo.

Bem sei que a minha pequena vaidade não é propriamente o que mais lhe interessa – mas mesmo assim gostaria muito que, aproveitando que já aqui está, explorasse o nosso novo site.

E agora? Como é que resolvo este conflito íntimo?

Felizmente, o site não está só mais bonito: também está cheio de conteúdo que vai dar jeito ao seu negócio.

Por exemplo, este guia com 12 passos para fazer um bom site – que usamos para os nossos clientes e também na própria reformulação do site hamlet.com.pt .

Faça o download do guia. Assim o meu umbigo fica satisfeito – mas de uma forma que será útil para si.

Conte-me depois o que achou do guia.

(E do site também – mas isto é o meu umbigo a falar).

CATEGORIAS:
Sem categoria